segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Crônica de uma namorada


A namorada não é simplesmente uma mulher. Ela é o ser que está acima dos homens e abaixo dos anjos. É aquela que caminha pelas ruas como quem desce do paraíso, sustentando aquele ar puro e único que só as muito amadas possuem, e o fazem de uma maneira como um gesto qualquer de alisar a fronte num momento de carícia.


A namorada surge em nossa frente como uma aparição de luz enquanto falta energia elétrica. E ela sabe que é a mulher amada... Ela pisa o chão arrastando olhares das solteironas invejosas e dos garotos que saem do colégio pensando aventuras amorosas com as colegas de classe. A namorada está muito acima disto tudo. Ela sabe bem o papel que ocupa em nossa vida e nunca deixa de lado o seu frescor suave como de quem está infinitamente saindo do banho numa tarde morna.


Ela acorda de manhã e abre os olhos para o mundo numa atitude tão pura como o ressonar dos passarinhos. Ela espreguiça com a delícia de quem toma um sorvete de flocos... A namorada é a mulher que mais se parece com a ternura. É a própria ternura encarnada, é uma manifestação sem fim de graça, beleza e harmonia de cores sem se estar esperando. Ela é a namorada. Não a já escolhida e definitiva esposa, ou a santificada mãe, nem a amante dos motéis de uma noite qualquer. Ela é a que a gente torce como torce pelo time do coração, ou pela chegada do Natal para que se transforme nas realizações de todas as nossas fantasias, refresco para as nossas chagas do peito.


A namorada quando nos telefona sempre deixa um sorriso transparecer em meio ao já certeiro alô. Ela usa mais de 435 tipos de cremes entre hidratantes, shampoos, filtro-solar e outros cosméticos para ficar com aquela aparência de top model internacional ou sex simbol do cinema. A namorada tem olhos incandescentes que nos queimam os males sem que a gente perceba. Ela não tem um único nome, mas inúmeros chamados amorosos, por isso é conhecida em vários lugares por meu bem, princesinha, anjinho e meu amor... Aliás, o seu nome de batismo é raramente pronunciado. Só é usado nas horas severas em que é necessário chamar a atenção, porque as namoradas por serem muito amadas costumam fazer muitas coisas erradas.


Ela respira de um jeito tão particular que todo o quarto se veste de azul e a gente é tomado de uma grande paz quando ela adormece. Ela é muito inteligente, mas sabe pouco de automóveis e futebol, embora junto às amigas, consiga decifrar os mais íntimos segredos do coração dos homens. A namorada tem medo de escuro e pensa na gente quando abraça o travesseiro na hora de dormir sozinha. Ela não é campeã de karatê nem sabe tudo de matemática... É só a namorada, que como ninguém, ama com muita intensidade. A namorada não gosta de intrigas ela só quer viver e amar o seu amor.

3 comentários:

  1. Parabens muito bonito.

    ResponderExcluir
  2. ontem acabei de ler a cronica de uma namorada , e me apaixonei é muito contagiante viver tempos que eu nem era nascida mais pude sentir e compreender como era pela historia .
    adorei seu texto ,ele retratat mesmo tudo que a autora quer dizer!

    ResponderExcluir